Gamer Lifestyle

O blog do Fabão

Íntegras: Breve História da Game Music [EGM Brasil 05, 08/2002]

Posted by Fabão em 19 junho, 2008

Migre para o novo GamerLifestyle.com.br e curta mais atualizações, drops com as notícias do dia e muitos outros recursos.
Novo site: http://gamerlifestyle.com.br/
Novo feed: http://feeds2.feedburner.com/GamerLifestyle-com-br



Hoje, concertos como o PLAY! A Video Game Symphony são bastante comuns mundo afora

Em primeiro lugar, perdoem-me pela falta de atualizações. Não me esqueci do blog, apenas o volume de tarefas tem atingido níveis pouco benéficos à saúde mental e física. Porém, para dar uma animada neste espaço tão caro, resolvi adiar um pouco o sono de hoje para colocar no ar uma nova e, creio, interessante atualização. O assunto? Game Music!

Trata-se de uma matéria que fiz para a EGM Brasil número 05, lá por meados de 2002, quando o assunto não era tão difundido ainda quanto hoje. Evidentemente, muita coisa aconteceu nos seis anos que nos separam da publicação original do artigo, mas o conteúdo é imutável, por se tratar de história, e, acredito, ainda muito relevante.

O mesmo não posso dizer com igual precisão a respeito Top 10 que elaborei à época para desfecho da matéria, com os compositores de game music mais influentes de todos os tempos. Se fosse hoje, mudaria posições, subtrairia músicos (alguns com gosto) e inseriria outros nos lugares vagos. Ainda assim, pode-se dizer que a lista tem alguma validade.

Após o “salto”, aprecie o artigo e aproveite o ensejo para deixar sua opinião e também listar seus compositores favoritos de game music.

Trilha Sonora dos Games

Cada vez mais, esse gênero esquecido ganha o seu devido valor

Em 1978, a Taito tentava adicionar um clima de tensão a seu Space Invaders colocando de fundo uma batida contínua que simulava um coração pulsante. Dois anos depois, a Namco pretendia dar um tom de dramaticidade ao seu Pac-Man com um incessante som de sirene…

Desde os primórdios da história dos videogames, um aspecto tem sido considerado de vital importância: a música. Seja na forma de ruídos eletrônicos ou com toda uma orquestra sinfônica, a trilha sonora de um jogo sempre teve o objetivo de criar a atmosfera ideal, ditar o clima de cada fase ou momento e causar as mais variadas emoções. Com o passar do tempo, esse gênero foi evoluindo no mesmo ritmo do crescimento tecnológico dos videogames.

Capa do LP Video Game Music, da YMO, de 1984

A origem do gênero

O primeiro sinal de um álbum de Game Music veio em 1978, com o primeiro disco da Yellow Magic Orchestra (YMO), que continha a faixa Computer Game, com efeitos sonoros de Space Invaders. Do outro lado do mundo, nos EUA, em 1981, a dupla Buckner e Garcia fez a música Pac-Man Fever em homenagem ao game que era realmente uma febre naquele ano. O single da música vendeu mais de dois milhões de cópias em 1982.

Pac-Man Fever, disco de 1981

A estréia oficial, contudo, veio apenas em 1984, quando Haruomi Hosono da YMO, declarado fã de Xevious, produziu uma coletânea de músicas dos jogos da Namco. Assim surgiu a fita cassete e o LP Video Game Music, em 25 de abril de 1984, com as músicas originais de Pac-Man, Xevious, Mappy, Bosconian, Galaga e outros. Foi o começo da Game Music.

O primeiro álbum em CD, e também primeira trilha sonora arranjada foi Telenet Special Sound Version, em agosto de 1985, com músicas dos games da empresa Telenet (dos quais Valis é o mais conhecido). A explosão da Game Music no Japão veio em 1986, com um total de 26 álbums contendo trilhas originais, arranjadas e vocais de games da Namco, Konami, Nintendo, Hudson, Capcom, Tecmo, Enix, Imagineer, Falcom e Sega.

Jogo Athena do Famicom, que acompanhava fita cassete com o tema “Psycho Soldier”

Em junho de 1987, o cartucho Athena da SNK para Famicom foi lançado em uma edição especial, que incluía a fita cassete com a música Psycho Soldier. Essa faixa era cantada na versão arcade e foi reduzida para uma versão instrumental para o console. No mesmo ano, Koichi Sugiyama revolucionou ao realizar o primeiro concerto de Game Music, com as trilhas de Dragon Quest I e II, lançado no CD Dragon Quest In Concert. As trilhas sonoras de videogame já não eram vistas como musiquinhas sintetizadas, ganhavam nova dimensão e as empresas tinham atenção especial ao contratar compositores.

Dragon Quest in Concert, de 1987, é a gravação do primeiro concerto de game music

A partir de então, novos grupos musicais e compositores especializados em trilhas de jogos começaram a surgir e se destacar, e a Game Music consolidou-se como um novo gênero. Qualquer loja de música no Japão tinha uma seção dedicada à nova mania. A febre era tão grande que, em 1988, o álbum Dragon Quest III Symphonic Suite vendeu mais de quinhentas mil cópias em CD, LP e cassete.

Com a chegada dos consoles de 16-bit, com capacidade sonora mais avançada, as trilhas sonoras ganharam novo charme, como se pôde ouvir em Streets of Rage (Mega Drive) e Actraiser (Super NES), duas obras-de-arte do mestre Yuzo Koshiro. Essa geração ofereceu momentos memoráveis como a composição magnífica de Super Castlevania IV, a trilha sonora inesquecível de Sonic, uma ópera completa em Final Fantasy VI (o americano FFIII do Super NES), a relaxante melodia das fases aquáticas de Donkey Kong Country, o tema de abertura cantado de Tales of Phantasia. A liberdade tornou-se tão grande que Rock ‘n’ Roll Racing, com suas músicas de Stepen Wolf (Born to be Wild) e Black Sabbath (Paranoid), abriram caminho para os atuais THPS, Dave Mirra e Crazy Taxi, que adotam músicas de bandas famosas para enriquecer suas trilhas. Outra tendência que se consolidou nessa geração foram os CDs de música que acompanhavam as edições limitadas dos games. A exemplo de Athena, em 1987, Killer Instinct vinha com o excelente CD Killer Cuts, assim como DKC2, lançado acompanhado de sua trilha original, exemplo que é seguido atualmente, como em Lunar 1 e 2 e Arc the Lad Collection, todos da Working Designs.

Em 1995, o cartucho de Super NES Killer Instinct era acompanhado da trilha sonora remixada

A era do CD

Com o advento do CD como mídia nos videogames, a Game Music ganhou uma nova dimensão. Não mais necessariamente limitados pelos processadores sonoros e pouco espaço de armazenamento, os compositores agora podiam até mesmo gravar músicas em estúdio, como em um CD de música comum. Desde o início desta era, pudemos nos beneficiar com trilhas como a de Sonic CD, Ecco the Dolphin e Earthworm Jim Special Edition (todos de Sega CD).

A moda agora era a das músicas cantadas, usadas à exaustão, como em Daytona USA e Sonic R (para Sega Saturn). Cada vez buscava-se uma canção tema para cada game. Assim, nossos ouvidos puderam apreciar “Dreams Dreams” em Nights, “Eyes on Me” em Final Fantasy VIII, “Melodies of Life” em FFIX, “Suteki da ne!” em FFX, “Canção do Povo” em Grandia II ou até mesmo o “Monkey Rap” de Donkey Kong 64. Artistas famosas como Faye Wong, Emiko Shiratori, Rikki e Hikaru Utada, estrelas do cenário musical oriental, agora são procuradas para dar voz a essas canções. Ou que tal ouvir The Cardigans em Gran Turismo 2 com “My Favorite Game”?

Rikki canta o tema “Suteki da Ne” durante o concerto Voices, de 2006

A Game Music atual é um gênero explorado com especial atenção pelas empresas. Exemplo disso temos em Enemy Zero, da Warp, para o qual o produtor Kenji Eno convidou o pianista Michael Nyman, responsável pelas músicas de filmes como O Piano, para realizar a trilha sonora de seu projeto. Fato semelhante aconteceu com Johnny Bazookatone, da Acclaim, quando Ricchie Sambora e Tico Torres do Bon Jovi tocaram as músicas do game. Recentemente, Harry Gregson-Williams, músico conhecido pelas trilhas dos filmes Assassinos Substitutos, Inimigo do Estado e Armageddon, foi escolhido por Hideo Kojima para compor a cinematográfica trilha sonora de Metal Gear Solid 2. Até mesmo a Orquestra Filarmônica de Londres já foi mobilizada para realizar trilhas sonoras de jogos como Arc the Lad, Dragon Quest VII, Headhunter e Xenosaga.

Nunca a Game Music foi tão valorizada quanto hoje. Os CDs com trilhas sonoras originais, arranjadas e vocais pipocam aos montes e começam a invadir também o mercado ocidental. Somente no Japão, em 1998 foram mais de setecentos álbums de Game Music e, neste ano, até o final de julho, já são mais de duzentos álbums. Você pode não saber, mas está cercado por essa mania irresistível. Talvez agora você vá prestar mais atenção na “musiquinha” quando estiver jogando…

[box]

10 compositores que fizeram história

Para fazer justiça, seria necessário um longo compêndio com nomes veneráveis da Game Music, como Yoko Shimomura (Parasite Eve, Legend of Mana, Kingdom Hearts), Hiroki Kikuta (Seiken Densetsu 2 e 3, Soukaigi, Koudelka), Kenji Ito (série SaGa), Hitoshi Sakimoto e Masaharu Iwata (Ogre Battle, Tactics Ogre, Final Fantasy Tactics), Noriko Matsueda (Front Mission 1 e 2, Bahamut Lagoon), Junya Nakano (Front Mission: Gun Hazard, Dew Prism, Final Fantasy X), Masaya Matsuura (Parappa the Rapper, UmJammer Lammy, VibRibbon), Hirokazu Tanaka (Kid Icarus, Metroid, Super Metroid, Earthbound), Keiichi Sugiyama (Rez), Hideaki Kobayashi (Phantasy Star Online), Michiru Yamane (Castlevania: Symphony of the Night) e muitos outros. Porém, fizemos uma lista com os dez compositore de Game Music mais influentes de todos os tempos.

1. Koichi Sugiyama
Nascimento: 11/04/31 em Tóquio, Japão
Um dos grandes responsáveis pela Game Music como a conhecemos hoje. Ingressou na Fuji Televion em 1958, onde compôs trilhas para animes e séries, entre elas, Godzilla. Revolucionou o cenário musical dos games em 1986, quando a Enix lançou Dragon Quest no Japão. A partir de então, as músicas não eram apenas barulhinhos sintetizados, mas composições emocionantes que tinham um papel importante. Sugiyama tem ainda uma bela coleção de câmeras fotográficas antigas.
Games: EVO: Search for Eden, Dragon Quest/Warrior I a VII

2. Yuzo Koshiro
Nascimento: 12/12/1967 em Tóquio, Japão
O jovem compositor já foi o fenômeno da Game Music no Japão. Iniciou sua carreira na Falcom, compondo música clássica para Ys I e II. Mais tarde, projetou-se com a trilha techno/house de Streets of Rage. Koshiro passeou por vários gêneros musicais em diversos games, sempre deixando a sua marca de qualidade. Depois, passou anos sumido, fundou sua própria companhia (Ancient) e voltou à cena compondo algumas das faixas de Shenmue.
Games: The Revenge of Shinobi, Streets of Rage 1, 2 e 3, Super Adventure Island, Actraiser 1 e 2, Beyond Oasis, Legend of Oasis, Shenmue

3. Nobuo Uematsu
Nascimento: 21/03/1959 em Kouchi, Japão
Uma figura cultuada no mundo dos games, aclamado por seus diversos trabalhos na série Final Fantasy. Nobuo começou a tocar piano aos doze anos de idade, sem nunca ter estudado música. Em 1985, entrou para a Square para ser compositor de músicas para games. Foi responsável por praticamente todas as trilhas dos primeiros games da empresa, onde trabalha até hoje.
Games: Chrono Trigger (com Yasunori Mitsuda), Front Mission: Gun Hazard (com Yasunori Mitsuda), Super Mario RPG (com outros compositores), Ergheiz, Final Fantasy I a XI

4. Yasunori Mitsuda
Nascimento: 21/01/72 em Tokuyama, Japão
Tornou-se uma lenda entre os compositores de Game Music após o seu inesquecível trabalho em Chrono Trigger, em 1995, quando ainda trabalhava para a Square. Aos vinte anos de idade, Mitsuda entrou para a empresa em 1992, mas ficou nas sombras até a sua primeira oportunidade como compositor. Em 1998, partiu da Square para trabalhar como compositor independente, em seu Procyon Studio. O jovem talentoso sofreu várias influência, principalmente da música celta, mas atualmente está curtido bastante rock progressivo russo.
Games: Chrono Trigger, Front Mission: Gun Hazard, Tobal No. 1, Xenogears, Chrono Cross, Tsugunai, Xenosaga Episode I

5. Koji Kondo
Nascimento: 13/08/60 em Osaka, Japão
Na Nintendo, ele está no topo quando o assunto é música. Os temas mais conhecidos de todos os tempos são de sua autoria. Kondo é um grande admirador dos músicos Herbie Hancock e Henry Mancini (o criador do tema da Pantera Cor-de-rosa). Compõe desde os primeiros dias do Famicom 8-bit até hoje. Sem ele, os games da Nintendo perderiam muito charme e seriam menos memoráveis.
Games: Star Fox 1 e 64, Pilotwings, Super Smash Bros., Super Smash Bros. Melee, Luigi’s Mansion, praticamente todos os games de Mario e Zelda

6. Motoi Sakuraba
Nascimento: 05/08/65 em Akita, Japão
No início dos anos 80, tinha uma banda de rock progressivo chamada Deja-vu. Em meados dos 90, entrou para o Wolf Team onde iniciou a carreira de compositor de Game Music. A partir de 1996, trabalhou para a Camelot (série Shining), Namco (série Tales) e Tri-Ace (série Star Ocean).
Games: Beyond the Beyond, todos os episódios das séries Shining, Star Ocean e Tales, Mario Tennis e Golf, Valkyrie Profile, Golden Sun

7. Noriyuki Iwadare
Nascimento: 28/04/64 em Nagano, Japão
Está na área desde o início dos anos 90, tendo começado com músicas para a série Langrisser. Ganhou projeção mesmo ao compor a épica trilha de Lunar: The Silver Star para Mega/Sega CD, em 1992. Mantém essa linha musical em suas obras recentes, como a série Grandia.
Games: Langrisser I a V, toda a série Lunar e Grandia, GrowLanser

8. Yoko Kanno
Nascimento: 19/03/64 em Miyagi, Japão
Exímia pianista, Yoko é mais conhecida por suas trilhas sonoras para diversos animes, incluindo Cowboy Bebop e Tenkuu no Escaflowne. No cenário dos games, realizou trilhas para games da Koei em geral. Destaca-se por sua sensibilidade em faixas carregadas de emoção.
Games: séries Romance of Three Kingdoms, Nobunaga’s Ambition e Uncharted Waters

9. Tommy Tallarico
Nascimento: 18/02/68 em Massachusetts, EUA
Um dos mais influentes artistas da Game Music de todos os tempos. Compõe desde a época do NES e já fez trilhas para dezenas de games, algumas inesquecíveis como Earthworm Jim 1, Special Edition e 2, explorando quase todos os gêneros musicais. Tommy ganhou dezenas de prêmios, apareceu em programas de TV e foi matéria de várias revistas. Além de compositor, ainda trabalhou como produtor, tester, escritor, designer… Atualmente, está atrelado com os efeitos sonoros de Metroid Prime para GameCube.
Games: Earthworm Jim 1 e 2, Clayfighter, MDK, Unreal 2, Maximo: Ghosts to Glory, Spider-Man, Tomorrow Never Dies, Pac-Man World, Munch’s Odysee

10. Richard Jaques
Nascimento: 02/04/73 em Warwick, Inglaterra
Nascido em uma família de músico, Jaques trabalhou sete anos como compositor na Sega of Europe, onde impressionou com suas trilhas vibrantes. Atualmente, trabalha em seu estúdio independente e seu último projeto foi Headhunter.
Games: Sega Touring Car, Daytona CCE, Sonic 3D Blast, Sonic R, Metropolis Street Racer, Jet Grind Radio 1 e Future, Headhunter

Anúncios

11 Respostas to “Íntegras: Breve História da Game Music [EGM Brasil 05, 08/2002]”

  1. Alexei said

    Lembro que há dois anos mais ou menos você havia me mostrado essa matéria na redação da Futuro e fiquei pasmado com algumas informações, principalmente no que diz respeito à importância da Yellow Magic Orchestra na consolidação da game music, um detalhe que não costuma ser citado nos históricos do gênero. Como não tinha a edição #5 da EGM solicitei que Prandoni escaneasse as duas páginas para tê-las como referência. ^^

    Ah, notei que aquela abertura do Top 10 dos compositores precisou ser omitida na revista. Enfim, os meus prediletos, sem ordem de preferência, lamentando por muitos terem ficado de fora:

    – Yuzo Koshiro
    – Noriyuki Iwadare
    – Hiroki Kikuta
    – Koji Kondo
    – Yoko Shimomura
    – Nobuo Uematsu
    – Hirokazu Tanaka
    – Hiroshi Miyauchi
    – Motoaki Furukawa
    – Masahiro Andoh

  2. […] e separei para um momento oportuno. Com a atualização de hoje do Fabão no Gamer Lifestyle – histórico da game music publicado na EGM #5 -, aproveitei o ensejo. Excerto sobre a gênese da game […]

  3. Maiquinho said

    tenho 3 comentarios:

    1 – excelente post fabão, MUITO boa matéria. eu ainda não tinha lido, parabéns mesmo

    2 – eu sempre gostei das trilhas de lunar e legend of mana. não sei pq, mas essas duas me cativaram demais, acho incrivel que não sejam tão lembradas pelo publico em geral

    3 – eu morri de inveja de um amigo meu quando ele comprou Killer Instinct, e veio com um CD de musicas junto. eu também comprei, mas por algum motivo que nunca entendi, o meu simplesmente NÃO VEIO COM AS MÚSICAS, só o jogo. eu não superei o trauma até hj :p

  4. Uehara said

    Eu não sei quem compôs as músicas, mas a trilha sonora que mais me marcou foi a de The King of Fighters 97. Foi meu primeiro KoF, e um dos melhores jogos que eu já joguei. Grande parte da qualidade do jogo deve-se à trilha sonora.

    Até hoje, ainda ouço com regularidade Esaka Forever, Bloody, Rhythmic Hallucination, Mirthless e todas as outras da trilha.

    Fabão, ou Alexei, algum de vocês sabem quem compôs essas músicas? Não consigo achar em lugar nenhum!

    Ah, sim. Ótimo post, como sempre!

  5. Fabão said

    @Uehara
    As trilhas da SNK eram creditadas ao time de som da empresa. Assim como a Konami tinha a Konami Kukeiha Club, a Taito tinha a Zuntata, a Falcom tinha a J.D.K. e a Sega tinha a S.S.T., apenas para citar algumas equipes/bandas de empresa, a SNK tinha a Shinsekai Gakkyoku Zatsugidan (新世界楽曲雑技). Infelizmente, a literatura sobre o grupo é escassa, a não ser em língua japonesa. A banda chegou a fazer shows ao vivo e era composta por músicos que já atuavam (e continuaram a atuar depois da dissolução da empresa e da banda) fora da game music.
    Prometo que ainda vou falar muito a respeito da Shinsekai, e inclusive tenho um podcast (ou alguns, na verdade) programado para a banda. Fique ligado. 😉

  6. Fabão said

    @Uehara again
    Só pra constar, a trilha do KOF’97 não é uma das minhas favoritas. Não porque não tenha faixas interessantes, já que tem algumas excelentes (Rythmic Hallucination me vem à mente), mas porque havia estágios praticamente sem música (Java, a danceteria e o festival, por exemplo). Fico dividido entre KOF’96 e ’95 como minha trilha favorita da série. Já ouviu a Arranged Soundtrax dos dois? Deveria. ^_^

  7. @ Fabão e Uehara

    Ah, mas ao menos existe alguma literatura sobre a banda. A Alph Lyla da Capcom, como você pôde comprovar outro dia, é impossível encontrar. 😦

    Creio que o melhor site sobre a Shinsekai, em japonês como o Fabão disse, é esse, caso queira se aventurar, Uehara:

    http://www.geocities.jp/barzinion/sinsekainosetumei.html

    A página da banda do VGMdb também é útil para tomar conhecimento da discografia:

    http://vgmdb.net/artist/1076

    Sobre os shows ao vivo, acredito que o mais célebre de todos é o Neo Geo Super Live! 1994, que registra a performance da banda no Game Music Festival 1994.

    http://vgmdb.net/db/albums.php?id=2432

    E fico na expectativa dos podcasts da Shinsekai!

  8. Fabão said

    @Uehara/Alexei
    Tem os shows Neo Geo DJ Station também. Abaixo alguns vídeos da edição ’99. ^_~
    (Atente para o detalhe: os cantores são os verdadeiros seiyuu que dublam os personagens 😉 )

    Yuuhi to Tsuki

    Heavy Baby’s III

    Never Lose My Way

    Pieces!

    We are the BOF!

    Open your eyes with B.O.F

    The Song Of Fighters BOF Special! Bright & Fly

    Dance de Peace!

    Kokoro o Tsunaide

  9. […] sobre Íntegras: Breve História da Game Music [EGM Brasil 05, 08/2002]Uehara sobre Íntegras: Breve História da Game Music [EGM Brasil 05, 08/2002]Maiquinho sobre Íntegras: Breve História da Game Music [EGM Brasil 05, 08/2002]Ryunoken sobre […]

  10. I’m really enjoying the design and layout of your site. It’s a very easy on the eyes
    which makes it much more pleasant for me to come here and visit more
    often. Did you hire out a designer to create your theme?
    Great work!

  11. Rap Instrumentals For Downloading

    Íntegras: Breve História da Game Music [EGM Brasil 05, 08/2002] « Gamer Lifestyle

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: